Com Lula no páreo em 2018, partidos avaliam romper com Temer

Por Irlander Bacelar 14/08/2017 - 19:00 hs

Os dirigentes do PSDB e do DEM já prevêem a necessidade de uma possível mudança de estratégia para as eleições Presidenciais de 2018. Se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) for absolvido em segunda instância, ele dificilmente terá a candidatura barrada pela Justiça e haverá forte pressão pelo rompimento com o presidente Michel Temer (PMDB-SP), especialmente entre parlamentares do Nordeste, como revelado pela coluna Painel da Folha de S. Paulo.
 
O último levantamento do Instituto Datafolha revelou que a região Nordeste concentra a grande parte dos eleitores de Lula, bem como um alto índice de reprovação de Temer. O PT está confiante que o ex-presidente vai para o segundo turno se disputar o pleito. Contudo, se ele for barrado, a sigla entrará em um processo de renovação inevitável.

Ainda de acordo com a publicação, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB-SP) é quem preocupa o Partido dos Trabalhadores, pois não tem envolvimento com a Operação Lava Jato e possui apelo conservador. Já o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não tem tirado o sono dos petistas, que acreditam que ele não deve receber mais do que 15% dos votos. Após giro pelo Nordeste, que arrastou multidões, Lula deve visitar agora as regiões Sul e Sudeste.

Folha de São Paulo