Com seca, principais frigoríficos de pescado estão com as portas fechadas em Remanso

Por RemansoNet 28/09/2017 - 10:05 hs

Setores que dependem diretamente da barragem de Sobradinho, como a pesca, vivem dias difíceis. Em Remanso, cidade baiana que fica nas margens da represa, os principais frigoríficos que atuam na produção de pescado estão com as portas fechadas.

Uma única fábrica de gelo manteve as portas abertas, mas com uma produção 80% menor que a normal.

A agricultura familiar, que corresponde a 70% da produção agrícola da região, teve sucessivas quebras de safra. “O que se colhe hoje mal dá para a subsistência”, diz Emerson José, presidente do sindicato dos trabalhadores rurais de Juazeiro. A última vez que choveu na cidade foi em janeiro de 2016.

Sem chuvas e com perspectivas sombrias, a revitalização do rio São Francisco aparece como única saída para dar segurança hídrica à região. Mas o plano Novo Chico, promessa do presidente Michel Temer (PMDB) pouco avançou nos últimos meses.

“Temos que brigar pela recuperação nas margens e nascentes para a água florescer. Não dá para depender de chuva”, diz Paulo Bomfim (PCdoB), que assumiu neste ano a Prefeitura de Juazeiro, cidade com 221 mil habitantes, segundo o IBGE.

Confira a reportagem completa.

Fonte: Remanso Noticias